(318)
Última edição
Última Edição
Matéria de Capa
Ponto de Vista
Destaque
Internacional
 
Você está em:

SuperHiper

Depois da tempestade... 03/04/2017 09:46:06

O varejo de bens de consumo alcançou, em 2016, sua pior recessão em anos. Até o autosserviço, que resistia, perdeu vendas, contribuindo para os 5,8% de queda do setor em volume. Porém, 2017 deve marcar o início da retomada

 

  
As vendas em volume de bens de consumo industrializados caíram, de forma inédita, pelo segundo ano seguido, em todo o varejo, mas, para o autosserviço, a queda aconteceu, depois de mais de uma década, pela primeira vez. Após expansão pequena, de 0,8%, em 2015, no ano passado, o volume de vendas dos canais de autosserviço, afora o cash & carry, acumulou baixa de 5%. Em todo o varejo, exceção feita ao atacarejo, segundo a Nielsen, a queda foi de 5,8%.

 

Neste ano, a análise dos números gerais do estudo Líderes de Vendas, feita nestas páginas, traz algumas alterações: trata, nos gráficos, por exemplo, de todos os formatos de varejo, não apenas do autosserviço, diferentemente das tabelas que se seguirão, restritas às vendas das categorias no canal autosserviço.

 

O objetivo, ao extrapolar esta análise a outros canais, é mostrar como o setor está inserido neste contexto mais amplo. Até porque, o cash & carry, um formato de autosserviço que não se enquadra na defi nição de supermercado, embora também dispute os mesmos clientes, cresceu, em volume, 11,3% em 2016, enquanto todos os demais formatos e modelos de varejo, como se viu, caíram.

 

“Se acrescentássemos os números do cash & carry aos do varejo, o canal não seria capaz de impedir a queda no volume geral de vendas do setor”, diz a executiva de Contas do Varejo da Nielsen, Lenita Vargas Mattar. 

 

A executiva acrescenta que o atacarejo tem ganhado clientes, até mesmo, entre as classes mais abastadas. A razão é simples: em ano de crise, preço é o atributo mais importante no mercado de consumo. “Nossas pesquisas apontam que, em 2016, as pessoas da classe A/B aumentaram em 22% o gasto médio em lojas de cash & carry.”

 

Ao analisar os diversos canais de varejo, constata-se que as mercearias foram as mais impactadas pela crise, com retração de 8,6% nas vendas. Os supermercados de vizinhança e os convencionais tiveram quedas menos representativas do que a média do varejo: 5,1% e 3,3% respectivamente.

 

Seguindo uma tendência histórica que se acentua na mesma razão em que os atacarejos se consolidam como umcanal altamente popular, os hipermercados tiveram a segunda pior queda entre os canais de varejo em 2016: 7,4%.

 

É interessante observar outra mudança de abordagem na análise deste ano: os formatos de autosserviço passam a ser defi nidos não mais pela quantidade de check-outs, mas pelos nomes que geralmente recebem no mercado. O principal critério para que sejam chamados de loja de vizinhança ou hipermercado, por exemplo, é a sua metragem quadrada.

 

Leia a Matéria na íntegra na edição de Março da Revista SuperHiper

 



 

Últimas

» Depois da tempestade... 03 de Abril 2017, 09h46
» Sinergia e criatividade para adoçar as vendas da Páscoa 2017 21 de Fevereiro 2017, 16h33
» Um jantar com muita história para contar 27 de Dezembro 2016, 15h59
» Ao cliente, com carinho e exclusividade 23 de Novembro 2016, 15h15
» Trabalho em conjunto dribla adversidades 21 de Outubro 2016, 11h53
» A prevenção de perdas traduzida em ganhos 28 de Setembro 2016, 14h53
» Um novo varejo para um novo consumidor 01 de Setembro 2016, 14h53
» Qual é a sua estratégia de precificação? 05 de Agosto 2016, 11h36
» Quem são os gestores do pequeno varejo? 01 de Julho 2016, 17h58
» De quem é a responsabilidade do GC? 02 de Junho 2016, 10h19

Ver mais »
01 Comentários Comentar

Envie seu comentário


Nome:


E-mail:


Mensagem:


AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de nosso portal. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ABRAS poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

EDMILSON

postado:
20 de Abril 2017, 13h12
Boa tarde. Sou do marketing da Geloni Sorvetes, eu gostaria que me enviasse uma imagem do ranking onde a Geloni aparece na área 6 em 5 lugar.. É possível ?