(200)
Fórum Abras
Apresentação
Eventos
 
Você está em:

Eventos

A prevenção de perdas traduzida em ganhos 05/10/2016 00:21:09

 


O IV Fórum de Prevenção de Perdas da Abras reforçou e exemplificou o caráter estratégico do departamento, apresentando cases que deram ótimos resultados


Transformar informações em resultados sempre foi importante, mas, hoje em dia, é essencial. A área de prevenção de perdas, de qualquer empresa, pode e deve ser um bom exemplo nesse sentido. Conhecimentos e informações, se bem trabalhados para prevenir perdas, surtem impacto positivo diretamente no lucro líquido. A tarefa não é fácil: é preciso agir preventivamente sem prejudicar o desempenho de vendas.

Na verdade, um bom trabalho de prevenção deve contribuir para o aumento das vendas, aliás, das boas vendas: aquelas que não trazem apenas volume, mas rentabilidade.


Algumas ações recentes, experimentadas por empresas do setor, foram contadas no IV Fórum Abras de Prevenção de Perdas, cujo mote não poderia ter sido outro, senão, “Transforme Informações em Resultados”. Realizado na sede da GS1 Brasil, em São Paulo, no dia 17 de agosto deste ano, o evento, que foi aberto pelo superintendente da Abras, Marcio Milan, trouxe também uma breve apresentação da 16ª Avaliação de Perdas nos Supermercados Brasileiros, realizada pelo coordenador institucional do Comitê Abras de Prevenção de Perdas, Marcos Manéa, e oficializou a troca na Coordenação Executiva do mesmo comitê. Porém, o principal objetivo do tradicional evento foi, mesmo, reforçar e exemplificar o caráter estratégico da área de prevenção de perdas, apresentando cases de companhias de varejo de diversos portes que têm feito um bom e mensurável trabalho nesse sentido.


“Nem sempre vender muito é sinal de eficiência e eficácia operacional. Aliás, geralmente, boas vendas escondem muitos problemas”, disse o diretor do Monte Serrat, Edevaldo Retondo. De acordo com o executivo da rede de três lojas, da cidade de Itupeva, interior paulista, o sinal de alerta e o foco, em redução de perdas e maior eficiência operacional, no Monte Serrat, ganhou relevância por causa da crise econômica vivida pelo País e da concorrência dos atacarejos, que evidenciaram falhas

na operação da empresa.


“Pessoas, processos e tecnologia” constituiu o tripé sobre o qual as ações foram desenvolvidas com a finalidade de reduzir custos operacionais, rotatividade, aumentar eficiência e levar a cabo os projetos propostos, o que não estava acontecendo antes. O resultado foi excelente, inclusive com ganho de produtividade, por funcionário, da ordem de 35%.


Fora ao “achismo”


“Uma das primeiras coisas que fizemos foi substituir o ‘achismo’ [argumentação baseada no eu ‘acho’] por dados e números concretos. Ou seja, passamos a falar em números.” Para tornar isso possível, no entanto, a empresa precisou olhar para o departamento de prevenção de perdas de forma estratégica, colocando-o diretamente sob as vistas da direção. Retondo contou que, nessa mudança de cultura, descobriu algo que o surpreendeu. “Sempre achei que funcionário gostasse de liberdade. Estava enganado. A partir do momento que criamos metas de mensuração de desempenho, definimos com clareza seu papel, como fazer e aonde chegar, a resposta dele melhora e muito.” 


O executivo salienta que, depois de essas práticas terem sido incorporadas aos processos, obtiveram-se ganhos sensíveis de produtividade, padrão, eficiência, eficácia, otimização de recursos e, sobretudo, motivação da equipe. Para exemplificar, Retondo falou do processo de remarcação e auditoria de preços que foi instituído nas lojas da empresa, sob a luz da busca por maior efetividade. “Primeiro, nós definimos processo, estabelecemos prazos para executar a operação, que deve ser feita antes

da abertura das lojas, e colocamos metas a cumprir.”


Com isso tudo definido, o Monte Serrat passou a usar, no processo, um dispositivo móvel que permite atualizar o preço de gôndola e, também, o do sistema das lojas.

Como resultado, o tempo gasto para colocar as etiquetas nas gôndolas passou de um minuto para 25 segundos, garantindo a abertura da loja, todos os dias, já com todos os ajustes e checagens de preços realizados, bem como o número de erros, diferença entre preço de gôndola e de caixa (sistema), foi de seis por dia para zero. “Todas essas ações, mais uma política de bonificação por meta e os resultados alcançados justificam aumento considerável na motivação dos profissionais”, afirmou Retondo.


Outros ganhos decorrentes desse trabalho foram integração automática entre chão de loja e retaguarda, reduzindo rupturas e melhorando o controle de dados sobre vendas, contribuindo, assim, para a gestão por categoria. O tempo de reposição diminuiu, foi de um minuto e 33 segundos para 15 segundos por item. O que também diminuiu foi o número de colaboradores envolvidos nesse processo, passando de 44 para 28 pessoas.

 

Retondo destaca ainda, como ponto-chave, a nova maneira de abordagem dos problemas dentro da empresa. “Paramos de buscar culpados. Os erros, na imensa maioria das vezes, são resultados de falha no processo. Deixamos de nos preocupar com ‘quem errou’ e centramos foco em ‘qual foi erro’. Assim, todos passaram a apontar as falhas sem medo de retaliações, o que facilitou a identificação dos problemas e o surgimento de ideias para solucioná-los.”


O resumo de todas essas ações não podia ter sido melhor, nem mais numérico. “Em termos de produtividade operacional por colaborador, tivemos um crescimento de 35,3%. Em termos de produtividade geral por colaborador, o ganho foi de 25,8%.”



Melhor prevenir do que remediar


A rede gaúcha Asun também trouxe, ao Fórum, sua experiência com o software da empresa GIZ, que, até o momento, tem dado bons frutos e cuja finalidade é automatizar a gestão do funcionamento dos equipamentos de refrigeração de suas lojas.  

 

intuito do projeto tem sido reduzir perdas de fluidos refrigerantes, combatendo problemas de ordem ambiental, já que o vazamento desses fluidos resulta no aumento do buraco da camada de ozônio. Além da questão ecológica, há as operacionais e econômicas. Os vazamentos significam também menor eficiência no funcionamento dos equipamentos e perda financeira, com o aumento, sem contrapartida produtiva, do consumo energético. Assim como no Monte Serrat, na Asun também foi necessário trabalho de aculturação. “Antes de implantar a tecnologia, tivemos de preparar e treinar a equipe para que todos entendessem a nova estrutura de funcionamento e processos da área. Houve uma divisão de tarefas com papéis bem especificados, o que nos permitiu ordenar o fluxo de dados e facilitar a análise das informações. Isso feito, nós nos tornamos aptos a incorporar a tecnologia e obter os ganhos de gestão”, disse o diretor financeiro da Asun, Valdecir Pressi. Segundo ele, o projeto, que teve início entre março e abril deste ano, envolve a direção da empresa, a área de tecnologia da informação (TI) e o departamento de prevenção de perdas. Nesse primeiro momento, a ação abrange cinco lojas, das 26 que a rede tem, e, embora ainda não tenha resultados financeiros para apresentar, de acordo com Pressi, já traz melhorias operacionais sensíveis à gestão do sistema de refrigeração das unidades contempladas.



O executivo explica que, com tudo devidamente preparado, os dados foram imputados no sistema, que passou a receber atualizações automáticas. O comportamento dos equipamentos de refrigeração, dessa forma, é gerido remotamente e qualquer alteração atípica chama a atenção dos profissionais, que podem agir com base em uma série de informações que facilita a identificação do problema e da solução.


“Essa dinâmica transforma profissionais, antes mais ligados à manutenção dos equipamentos, em gestores da área. As ações deixam de ser, em sua maioria, de reparação de problemas e passam a ser preventivas, de modo a impedir que as perdas aconteçam.” Pressi comenta, ainda, que a solução tem criado uma base informativa que permite compartilhar o conhecimento obtido em uma loja para outras, melhorando o trabalho de prevenção, de forma sistêmica, em várias lojas da rede. “A nossa ideia é levar a solução para todas as unidades.”


No esteio da palestra da Asun, o líder técnico do Grupo para América Latina da Chemours Company, Cleber Bauer, palestrou sobre o futuro dos fluidos refrigerantes, levando em conta o aumento do rigor das leis internacionais, que visa restringir os produtos disponíveis no mercado aos que não trazem prejuízo ambiental. A conta, além de considerar questões legais e ecologicamente corretas, também considera o custo-benefício.




 

 

 

Clique aqui e leia a matéria na íntegra

 



 

Últimas

» A prevenção de perdas traduzida em ganhos 05 de Outubro 2016, 00h21
» O ganha-ganha da prevenção de perdas 07 de Outubro 2015, 10h05
» 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro 11 de Dezembro 2014, 14h55
» Perdas nos supermercados atingem R$ 4,74 bilhões em 2012 26 de Agosto 2013, 15h14
» Setor aponta soluções para diminuir perdas e ainda aumentar o lucro 18 de Outubro 2012, 15h37

Ver mais »