Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

04/01/2016 10:17 - Bebidas quentes e produtos eletrônicos ficam mais caros em 2016

A presidente Dilma Rousseff sancionou a Medida Provisória 690, que dispõe sobre a incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre bebidas quentes, como vinho e destilados. Convertida agora na Lei 13.241, publicada em edição extra do Diário Oficial da União que circula nesta sexta-feira (1º), a MP foi sancionada com sete vetos.

A proposta aprovada pelo Congresso aumenta a tributação sobre essas bebidas quentes e acaba com a isenção do PIS/Pasep e da Cofins concedida a produtos eletrônicos, aumentando também a tributação a computadores, smartphones, roteadores e tablets.

Pela lei, o IPI incidente sobre as bebidas quentes passará a ser calculado com uma alíquota sobre o valor do produto (é a chamada alíquota ad valorem). Até então, o IPI era um valor fixo por determinada quantidade produzida (alíquota ad rem).

Na prática, será cobrado um valor porcentual sobre o valor do produto na saída da indústria. As alíquotas vão variar de 10% a 30%, dependendo do tipo de bebida. Os porcentuais foram definidos por decreto já editado pelo governo. No caso da industrialização por encomenda, quando uma empresa produz a bebida para outra, o IPI será cobrado tanto na saída da empresa que produziu como na da que encomendou.

No caso dos produtos de informática, a lei revoga legislação anterior que isenta os produtos de informática do pagamento da contribuição do PIS/Pasep e da Cofins nas vendas do varejo. O estímulo integrava o Programa de Inclusão Digital, criado para ampliar a produção nacional de equipamentos de informática em 2005.

Vetos
Um dos vetos realizados foi ao parágrafo único do artigo 7º, que definia as alíquotas máximas do IPI para os produtos. O governo justificou o veto afirmando que os dispositivos tratam de IPI, caracterizado como regulatório, em razão de sua natureza extrafiscal e de sua seletividade. "Por isso, não é adequada a fixação em lei de alíquotas máximas. Além disso, a proposta acabaria por contrariar o que dispõe o art. 153, ? 3o, inciso I, da Constituição", justifica.

Outros dispositivos foram vetados porque resultavam em renúncia de receita e não vieram acompanhados de estimativas de impacto orçamentário-financeiro e das compensações necessárias, o que seria um desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal.

 



Veículo: Jornal Estado de Minas - MG

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

10/07/2019 16:56 - Cerveja poderá ter leite e mel em sua composição
10/07/2019 16:47 - ICMS de alimentação e bebidas em bares será de 4% no Rio
08/07/2019 14:52 - Vinhos paulistas se destacam entre os melhores do Brasil
14/06/2019 11:19 - Como está o mercado cervejeiro no Brasil?
11/06/2019 12:16 - Garrafa de cerveja retornável volta a ganhar espaço no mercado Brasileiro
30/05/2019 11:58 - Ministério da Agricultura registra produtores de cachaça e aguardente
21/05/2019 11:30 - Clube de vinhos mira o varejo para crescer 15%
06/05/2019 10:54 - Cerveja puro malte cresce 81% em volume de consumo no Brasil
14/03/2019 11:22 - Por que bebemos tão pouco vinho?
08/03/2019 14:31 - Consumo de refrigerantes só deve apresentar recuperação em 2020

Veja mais >>>